isaac julien

hotel (ten thousand waves), 2010

fotografia em papel endura ultra

180 x 240 cm

 

Press Release

+

Cocurador da Documenta11, Mark Nash é responsável pela seleção de obras que compõem a exposição. O conjunto apresentado oferece um contato renovado com a produção de Isaac Julien, atualmente também em cartaz na cidade na mostra Isaac Julien: Geopoéticas, em cartaz no Sesc Pompeia, que abrange três décadas de sua produção. Na curadoria apresentada pela Galeria Nara Roesler, fotografias criam uma relação peculiar com trabalhos também apresentados sob a forma de instalações – True North (2004), Fantôme Créole (2005) e Ten Thousand Waves (2010). 

Nas fotografias, o modo rigoroso como o artista constrói planos pode ser observado sob outro viés: a eloquência do espaço, sempre um fator central na linguagem de Julien, é ainda mais veemente nesta exposição. Como observa o curador, Julien opera com “imagens míticas, construídas”, para gerar questionamentos tais como: “de que forma pensar a experiência dos indivíduos e da prática artística como ao mesmo tempo relacionada com um lugar e integrada a uma rede global? Como pensar os mundos agonizantes que se nos apresentam – o choque de ideologias e perspectivas?”. 

Seu forte tom sócio-político, evidente em suas construções narrativas, se apresenta, nas obras desta exposição, sob matizes mais sutis, em que o deleite visual de cada imagem revela gradualmente sua faceta crítica, seja no embate entre as diversas imagens que criam um percurso de análise sobre relações (sociais e geográficas), seja na meticulosa composição de cada quadro, em que o tom mítico discretamente suscita questionamentos político-estéticos. De certa forma, esta exposição radicaliza a experiência de fragmentação narrativa que o artista frequentemente propõe. 

sobre o curador
Mark Nash é curador e teórico de cinema. Atualmente é professor e chefe do departamento de curadoria de arte contemporânea no Royal College of Art, Londres. Cocurador da Documenta11 (2002), sua exposição mais recente, One Sixth of the Earth, no MUSAC (Espanha), foca trabalhos contemporâneos envolvendo imagem em movimento na ex-União Soviética. Nos anos 1970 e 1980, envolveu-se ativamente na cena cinematográfica britânica como editor da revista Screen (1976-81) e como cineasta independente. Seus ensaios desse período estão reunidos no livro Screen Theory Culture (Londres: Palgrave MacMillan, 2008).

Vistas da Exposição

+